Insights para sua Transformação Digital

Depois de VUCA, a transformação para um mundo BANI

O ano de 2020 nos mostrou que as incertezas são as únicas certezas que temos. Mostrou também que é bom estabelecer metas e planos, mas que as coisas podem não sair como o esperado, ou mesmo acontecer.

Aprendemos muitas coisas nos últimos meses e, diante dos nossos olhos, vimos o mundo mudar dramaticamente. Do offline para digital. De VUCA a BANI.

Você já deve ter ouvido falar da sigla VUCA, mas e o BANI? Neste post veremos um pouco mais sobre esse novo termo, que é objeto de muita conversa no mercado.

O mundo VUCA

Este acrônimo é composto pelas palavras ‘volátil’, ‘incerto’, ‘complexo’ e ‘ambíguo’, e foi cunhado na década de 80, durante o período da Guerra Fria, para explicar as adversidades do universo militar.

Naquela época, essas palavras ainda não faziam tanto sentido para a humanidade em geral como fazem hoje, onde as coisas mudam em um piscar de olhos e a tecnologia evolui exponencialmente.

Pois a nossa maneira humana de pensar, que é linear e lida com uma coisa de cada vez, muitas vezes é difícil acompanhar tantas mudanças. Mas, mais do que nunca, devemos exercitar nossos cérebros para nos acostumarmos com o VUCA e agora também com o BANI.

O ambiente VUCA mudou substancialmente

Não apenas porque o termo foi excessivamente usado e, portanto, perdeu seu significado, ele também deixou de fornecer insights úteis sobre a questão básica: como podemos lidar razoavelmente com as circunstâncias atuais?

Neste mundo em seu estado atual, o VUCA não é mais suficiente para dar sentido a ele ou para descobrir possíveis cenários futuros. Em outras palavras: este não é mais um ambiente VUCA.

Ele evoluiu, o que exige uma nova terminologia, uma nova linguagem para explicar o mundo mudado.

Então, por que BANI? Em poucas palavras: ele pinta uma imagem clara de como o mundo nos parece hoje em dia e torna cada aspecto mais tangível.

  • O que costumava ser volátil deixou de ser confiável.
  • As pessoas não se sentem mais inseguras, estão ansiosas.
  • As coisas não são mais complexas, em vez disso, obedecem a sistemas lógicos não lineares.
  • O que costumava ser ambíguo parece incompreensível para nós hoje.

Vamos dar uma olhada nisso a seguir.

O que é o mundo BANI?

O mundo BANI é um acrônimo composto pelas palavras ‘frágil’, ‘ansioso’, ‘não linear’ e ‘incompreensível’. O criador deste novo conceito é Jamais Cascio, antropólogo americano, autor e futurista.

Ele escreveu várias publicações sobre o futuro da evolução humana, educação na era da informação e tecnologias emergentes.

Em 2009, ele entrou na lista dos 100 pensadores globais da Foreign Policy Magazine e apresentou um famoso TED sobre o futuro da humanidade em um cenário imprevisível.

O futurista participou também de um documentário da National Geographic intitulado “6 graus que podem mudar o mundo”, que investiga os efeitos do aquecimento global em nosso planeta.

A seguir, conheça o significado de cada palavra da sigla:

Frágil

No mundo BANI, um sistema pode funcionar bem na superfície, mesmo que esteja à beira do colapso. Portanto, deve-se tomar precauções para não confiar 100% nas operações, mesmo que pareçam confiáveis, flexíveis e inquebráveis.

Em nossos dias, qualquer mercado pode estar prestes a estourar; e isso acontece, na maioria das vezes, em função da constante maximização do lucro.

Além disso, quando em crise, alguns setores – como cadeia de suprimentos, energia e comércio global – podem causar transtornos em vários outros e, consequentemente, em todo o mundo.

Ansioso

A informação é o novo petróleo, mas em excesso cria um grande problema: ansiedade. Embora as tecnologias estejam aqui para nos ajudar a tomar decisões, você inevitavelmente se sentirá impotente e incapaz de fazer escolhas importantes em tempos de pressão e tensão.

O resultado desta situação é a passividade, ver as coisas acontecerem sem qualquer ação, e ao mesmo tempo você se sente dependente das escolhas dos outros, mesmo sabendo que elas podem não ser a melhor opção para o bem comum.

Em um mundo com tantas informações, ameaças e notícias falsas, é fundamental saber como lidar com as circunstâncias de forma positiva. Devemos nos distanciar das situações, ver os bons aspectos e oportunidades e desenvolver soluções criativas de resolução de problemas.

A pandemia nos mostrou a importância da inteligência emocional e como ela é um fator indispensável para se livrar da crise de forma rápida e serena.

Não linear

No mundo BANI, causa e efeito não são mais uma estrutura viável em todos os casos.

Hoje nos sentimos como se estivéssemos dentro de um filme não linear, onde as coisas vão e vêm sucessivamente, e o final não parece estar onde deveria estar.

Portanto, conceber ações e planos de longo prazo não faz mais sentido. Os efeitos das decisões sobre a economia, as questões climáticas e a saúde pública podem não ter data para surgir ou terminar.

Muitos dos problemas de aquecimento global que vivemos hoje são consequência de decisões tomadas pelo setor nos anos 80. Assim como os desafios e barreiras impostos pela pandemia ainda têm dimensões incertas no futuro da humanidade.

No contexto atual, não há mais começo, meio e fim. Você deve estar preparado para avançar e retroceder alguns lugares no jogo, a qualquer momento.

Incompreensível

Viver em um mundo frágil, ansioso e não linear torna a maioria dos eventos, causas e decisões incompreensíveis. O ser humano se obstina em encontrar respostas, mas nem sempre é possível encontrá-las para tudo no cenário atual.

Curiosamente, ter mais informações não significa desvendar mais significado sobre as coisas que acontecem. Na verdade, é exatamente o oposto: o ruído aumenta, junto com a dificuldade de encontrar uma verdade universal.

Em contraste, o pensamento humano linear e nossa capacidade de compreender o mundo permanecem os mesmos.

O cenário BANI pode parecer uma distopia, pois o número de pessoas ansiosas e deprimidas aumenta a cada dia.

Porém, também nunca tivemos tanto acesso e ferramentas para mudar as coisas das quais discordamos e construir futuros desejáveis para todos.

Portanto, se a única opção é seguir em frente, cabe a cada um de nós estudar e ganhar força, como uma preparação para a imprevisibilidade que está por vir.

Desafios para renovação

É difícil prever se o mundo vai progredir da forma definida pelo BANI ou se a sigla vai cair em desuso ou perder seu significado à medida que diferentes cenários evoluem ou retrocedem, dependendo de nossos pontos de vista. É muito cedo para fazer previsões.

No entanto, independentemente dessa discussão, é essencial refletir sobre as oportunidades e lições que podemos extrair dos novos sinais que aparecem em nosso Novo Normal.

Em meio ao diagnóstico de tantos sentimentos negativos e desafiadores (como ansiedade, fragilidade e impotência), alguns caminhos alternativos foram descobertos, principalmente pelas lideranças de diversos setores da sociedade.

Entre os “antídotos” estão a empatia e a preocupação com o todo, para todos nós. Em outras palavras, a consciência de que muitas das ansiedades e preocupações do mundo BANI não são puramente individuais.

A nova visão do objeto social nas empresas, voltada para todos os seus stakeholders, está agora presente em iniciativas como a Business Roundtable (lançada por CEOs de grandes empresas norte-americanas em 2019) e é uma resposta a este mundo BANI.

Em 2021, o fundador e presidente executivo do Fórum de Davos, Klaus Schwab, enfatizou que uma “Grande Reinicialização” do capitalismo era necessária. “Precisamos passar de um mundo que se baseia simplesmente em objetivos materiais para um que está muito mais consciente do bem-estar das pessoas”, disse ele.

Este exercício de transformação deve ser conduzido por líderes genuínos e conscientes. Segundo Luiza Trajano, uma das principais figuras do mundo empresarial brasileiro e da área de desenvolvimento sustentável, “As empresas estão voltadas para o que o presidente quer.

Se eles não aderem a uma ideia, não faz sentido querer que outra pessoa compre o que o CEO não aceitou.”

A falta de linearidade pode ser compensada por mais flexibilidade e antecipação. E nada melhor do que transparência e sinceridade para lidar com a incompreensão. Todos os caminhos estão abertos para essas oportunidades e não existem respostas prontas. Uma conclusão é clara: nosso presente não poderia ser melhor para mudanças.

Aproveite e assine a newsletter da Introduce para ler mais posts como este.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Outros artigos:

Para que serve um firewall?

“É melhor prevenir do que remediar.”. Este provérbio, parte importante da cultura popular brasileira, foi passado de geração para geração e traz consigo muita sabedoria. Ele pode

Leia Mais »