Insights para sua Transformação Digital

Entendendo os princípios do Privacy by Design

O avanço constante da tecnologia vem facilitando uma coleta inimaginável de dados pela maioria das empresas, por isso conceitos como Privacy by Design vem popularizando-se.

O Privacy by Design representa uma grande mudança no modo como entendemos a privacidade, a proteção de direitos e liberdades dos indivíduos. Aqui vamos entender um pouco mais sobre esse conceito, boa leitura!

O que é o Privacy by Design?

Em tradução livre o termo Privacy by Design significa “privacidade por definição”, essa é uma metodologia criada nos anos 90 pela Drª Ann Cavoukian, que já conseguia visualizar a forma como a coleta de dados e informações pessoais poderia ser indiscriminada.

Mediante o avanço da tecnologia e a facilidade na comunicação, ela percebeu que algo deveria ser feito/criado, para que as corporações aplicassem regras de privacidade nos produtos oferecidos.

O pensamento da Drª Ann Cavoukian estava correto, por isso, recentemente, muitas entidades ao redor do mundo começaram a divulgar e aplicar estes conceitos, como é o caso da Autoridade Europeia de Proteção de Dados. Aqui no Brasil, o Privacy by Design foi incorporado na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A ideia principal do Privacy by Design é que as empresas apliquem essa metodologia em todo o processo de criação, desenvolvimento e aplicação dos seus produtos e serviços, tendo a proteção de dados e a privacidade dos clientes no centro de todo o processo de desenvolvimento.

Os 7 pilares do Privacy by Design

Para que a metodologia do Privacy by Design seja aplicada às empresas, faz-se necessário que essa ideia faça parte dos valores e conduta ética da corporação. Por isso deve-se levar em consideração os 7 pilares que o formam.

1 – Ser proativo e não reativo

A prevenção será sempre o foco, antecipar-se aos eventos que possam vir a comprometer a privacidade dos usuários, e não apenas reagir após o seu acontecimento. Desta forma, faz-se necessário realizar um monitoramento constante, analisar os riscos e desenvolver as correções de possíveis falhas identificadas.

2 – Privacidade por padrão

Qualquer produto ou serviço disponibilizado deve ter como configuração padrão proporcionar a máxima proteção ao usuário. Não deve ser responsabilidade do usuário identificar e ajustar essas configurações para garantir a sua privacidade.

3 – Privacidade incorporada ao projeto

A privacidade não pode ser vista como um adicional ao projeto, mas como parte da solução desenvolvida, sempre incorporada desde a concepção da ideia do produto.

4 – Funcionalidade total

Segundo a metodologia do Privacy by Design a proteção de dados deve estar associada aos interesses e objetivos do produto, não havendo uma vantagem ou funcionalidade extra para aqueles que possibilitam as configurações de privacidade. Todas as funcionalidades devem estar completas e protegidas, trata-se de um jogo em que todos ganham.

5 – Segurança de ponta a ponta

Quando falamos que a proteção dos dados deve ser considerada desde a concepção do projeto, é para que se possa pensar em como manter os dados coletados de forma segura, durante todo o ciclo de vida da informação, ou seja, da coleta até a sua destruição.

É preciso pensar que dados pessoais não podem ser esquecidos, deixados em dispositivos antigos ou banco de dados inutilizados, isso facilita que estes sejam acessados por terceiros sem autorização.

6 – Visibilidade e transparência

O titular dos dados deve ter consciência sobre a finalidade das suas informações coletadas, quem terá acesso, onde será armazenada, com quem será compartilhada, ou seja, ter a garantia que seus dados estão sendo protegidos.

7 – Respeito pela privacidade do usuário

Toda a arquitetura e operacionalidade do sistema ou produto deve estar centrado na privacidade do usuário, tendo a proteção de dados como um preceito básico.

Com a LGPD as empresas precisam estar atentas no que diz respeito à segurança e proteção dos dados, aqueles que negligenciaram nesse quesito estarão sujeitos a multas e prejuízos principalmente em caso de falhas de segurança.

Por isso é preciso estar atento, realizando constantes avaliações nos processos de desenvolvimento, tendo sempre a segurança dos dados do usuário como um fato principal.

Gostou do que foi discutido aqui? Convidamos você a explorar mais o assunto baixando nosso guia para adaptação à LGPD gratuitamente.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Outros artigos: